Nas Bancas à 4ª feira
Facebook
 

Edição:

| Ano |

Error parsing XSLT file: \xslt\NTS_XSLT_Menu_Principal.xslt

20 de fevereiro de 2019

REUNIÃO COM JOÃO PAULO CATARINO AGENDADA PARA DIA 7 DE MARÇO
Plataforma mantém luta pela abolição das portagens na A23 e na A25

A luta para a abolição das portagens na A23 e na A25, dinamizada pela Plataforma P’la Reposição das SCUTS A23 e A25, que integra a Associação Empresarial da Beira Baixa (AEBB), Empresários p’la Subsistência do Interior, União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB), Comissão de Utentes da A23, Associação Empresarial da Região da Guarda (NERGA), Comissão de Utentes da A25 e União dos Sindicatos da Guarda, teve um novo episódio no passado sábado, 16 de fevereiro, com uma manifestação realizada em Castelo Branco.
A ação de luta teve início com a concentração dos participantes na Rotunda da Europa, de onde seguiram para o centro da cidade, mais concretamente para a Secretaria de Estado da Valorização do Interior, local onde tiveram lugar as intervenções.
O coordenador da USCB, Luís Garra, começou por realçar que “sentimos que esta Plataforma tem cada vez mais apoio”, para se seguida afirmar que “esta é uma luta que sabíamos que ia ser dura e difícil. Aceitamos negociar com o Governo, de modo a que a abolição das portagens fosse atingida de modo progressivo, mas também sabíamos que há uma distância muito grande entre a promessa eleitoral e aquilo que é a governação concreta”.
Luís Garra afirmou que devido à luta desenvolvida pela Plataforma já se conseguiram alguns avanços, relembrando que, “primeiro, houve uma redução de 15 por cento. Insuficiente. Agora houve uma redução para os veículos de transporte de mercadorias”.
Passos com os quais Luís Garra afirma que “o Governo pensava que nos ia calar”, mas, salientou, “a resposta veio de duas formas. A primeira, é que ninguém lhes bateu palmas. A segunda, é a nossa presença aqui, a dizer que não nos calam, não nos dividem”. Luís Garra adiantou, no entanto, que “estamos disponíveis para negociar” e defendeu que “se querem efetivamente valorizar o Interior, deem o primeiro passo”.
Depois das intervenções foi lida a resolução Pelo Interior – Repor as SCUT, Não às portagens na A23 e A25, na qual é considerado, entre outros pontos, que “as SCUT foram criadas sob a premissa de serem estradas sem cobrança ao utilizador e que a reposição das SCUT na A23 e na A25, sem custos para o utilizador, seria uma medida concreta com impacto imediato na atividade das empresas e dos cidadãos do Interior e, consequentemente, do respetivo desenvolvimento económico da região”.
No documento é definido “solicitar uma audiência ao ministro das Infraestruturas que venha a ser empossado; realizar no princípio de maio uma ação pública na fronteira de Vilar Formoso, envolvendo organizações e população de Portugal e Espanha; realizar em junho uma ação junto do local onde se realizará a Cimeira Ibérica; e intervir na campanha eleitoral para o Parlamento Europeu e para a Assembleia da República, no sentido de exigir compromissos sérios na abolição das portagens aos partidos e seus candidatos”.
A resolução, que foi aprovada por unanimidade e aclamação, foi depois entregue à chefe de gabinete do secretário de Estado da Valorização do Interior, sendo depois comunicado que João Paulo Catarino vai reunir com a Plataforma dia 7 de março.
António Tavares

20/02/2019
 

Outros Artigos

Em Agenda

 
06/04 a 28/07
Corpo e Paisagem Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco
27/04 a 28/07
Design para a Vida Antigo edifício dos CTT, Castelo Branco

Visite Castelo Branco

Video

Castelo Branco nos Açores

Video