Nas Bancas à 4ª feira
Facebook
 

Edição:

| Ano |

Error parsing XSLT file: \xslt\NTS_XSLT_Menu_Principal.xslt

Edição nº 1645 - 1 de julho de 2020

NO REGRESSO DO CAMPEONATO DE PORTUGAL DE RALIS
Rali de Castelo Branco acelera no fim de semana

O Rali de Castelo Branco regressa entre a próxima sexta-feira e domingo, 3 e 5 de julho. A prova organizada pela Escuderia Castelo Branco (ECB) é a segunda a pontuar para o Campeonato de Portugal de Ralis (CPR), uma vez que depois da primeira, o Rallye Serras de Fafe e Felgueiras, disputado em fevereiro, as provas foram interrompidas, devido à pandemia de COVID-19.
A pandemia, de resto, faz com que a prova Albicastrense seja bastante diferente das edições anteriores, desde logo, porque devido à nova realidade que se vive, por causa do novo coronavírus, há que cumprir as novas regras sanitárias.
As alterações começam logo pelo facto do Rali, este ano, não apresentar aquele que é considerado um dos seus momentos altos, a Super-Especial noturna, que habitualmente traz para as ruas de Castelo Branco milhares de pessoas.
Esta alteração prende-se com a finalidade de não originar a concentração de pessoas, objetivo que leva a outras mudanças no figurino da prova. Assim, o Rali não terá zonas espetáculo, o acesso ao parque de assistência instalado no recinto do Mercado estará vedado ao público e também não se realizará a tradicional cerimónia do pódio, no centro da cidade.
A organização do Rali viu-se obrigada a fechar as inscrições antes da data limite para isso, ao atingir o máximo de 85 participantes, o que leva o diretor de prova, Luís Dias, a realçar que este facto “supera as melhores expectativas”.
Luís Dias destaca, por outro lado, que devido à pandemia de COVID-19, “tivemos de mudar uma série de procedimentos e criar condições mais restritivas, para poder realizar a edição deste ano do Rali de Castelo Branco” e explica que “procurámos, juntamente com todas as entidades envolvidas, cumprir, de forma escrupulosa, os requisitos e acreditamos que, com o contributo de todos, vamos ter, certamente, um excelente e emocionante rali”.
O diretor de prova sublinha que na organização do Rali “houve uma grande preocupação com a manutenção do distanciamento físico das pessoas”. Daí, “a parte desportiva ser mais reduzida em comparação com as edições anteriores”, o que se reflete, por exemplo, na não realização da Super-Especial, “de modo a não haver concentração de pessoas”.
Por outro lado, continua Luís Dias, “o guia do rali, ao contrário do que é habitual, não tem a indicação de zonas espetáculo, para não haver zonas de ajuntamento de público. O que pretendemos é que as pessoas estejam na estrada, mas espalhadas pelas especiais, por causa do distanciamento físico”. E acrescenta que “nas zonas em que pensamos que vamos ter mais público, os marshall estão preparados para falar com as pessoas, sensibilizando-as para manter o distanciamento físico”.
Tudo isto, salienta Luís Dias, porque a Escuderia “tem a responsabilidade de reabrir a temporada de ralis, com a consciência e o dever de fazer desta uma prova exemplar para as que se seguem”.
Afinado pelo mesmo diapasão, o presidente da Escuderia, António Sequeira, realça “o enorme esforço que estamos a fazer para que a prova seja realizada, sendo de destacar que sem o apoio dos Municípios de Castelo Branco e de Vila Velha de Ródão e dos patrocinadores que, mesmo nesta hora difícil, não nos abandonaram, seria impossível montar um evento tão importante para a economia e para a promoção desta região e que, mesmo com as fortes restrições que iremos fazer cumprir na íntegra, vai permitir ajudar a mitigar os enormes efeitos desta pandemia”.
António Tavares

01/07/2020
 

Outros Artigos

Em Agenda

 
31/07 a 18/09
O Lince sob PerspetivaMuseu Municipal, Penamacor
tituloNoticia
18/07 a 31/08
OlhaGaleria Municipal Comendador João Martins, Proença-a-Nova

Gala Troféu Gazeta Atletismo 2018

Castelo Branco nos Açores

Video