Nas Bancas à 4ª feira
Facebook
 

Edição:

| Ano |

Error parsing XSLT file: \xslt\NTS_XSLT_Menu_Principal.xslt

Edição nº 1809 - 13 de setembro de 2023

PROBLEMA SURGIU A 8 DE SETEMBRO
Quercus denuncia invasão de microalgas no Rio Tejo

Os núcleos regionais de Castelo Branco e de Portalegre da Quercus, segundo é avançado em comunicado, registaram, desde dia 8 de setembro, “uma situação anómala no Rio Tejo. As águas estão extremamente poluídas desde a entrada do Rio Tejo em Portugal, em Vila Velha de Ródão, Arneiro, Nisa, chegando mesmo até Ortiga, já no município de Mação”.
Para a Quercus “esta situação inaceitável repete-se ciclicamente e precisa de resolução política eficaz e urgente”, acrescentando que “este crescimento anómalo (bloom), das microalgas (cianobactérias e outras) é cíclico, devido às condições de calor e luminosidade. Mas a sua intensificação resulta de vários fatores, sobretudo da concentração elevada de nutrientes. Estes nutrientes têm origem nas descargas de águas residuais (esgotos) sem tratamento adequado e nas escorrências de fertilizantes agrícolas que se vão acumulando, ao longo dos anos, no fundo das albufeiras da Extremadura espanhola. Portanto é imperativo que se criem condições para diminuir a concentração de nutrientes. Se continuarmos sem tratamento de esgotos e com escorrência de adubos agrícolas nada se resolverá”.
No comunicado pode ler-se que a “isto acresce a livre gestão das descargas de caudais das barragens da empresa Iberdrola, permitida pelos governos de Portugal e Espanha. Em vez de se compatibilizar a necessidade de manter o equilíbrio ecológico do Rio, do qual dependemos, com as necessidades do mercado as descargas ocorrem atendendo apenas à maximização do lucro proveniente da produção de energia hidroelétrica”.
Perante isto a Quercus adianta que “vimos exigir a intervenção urgente do Ministério do Ambiente e Ação Climática, e reiterar a posição pública do movimento Protejo, que integramos. Neste contexto, consideramos que o senhor ministro do Ambiente e Ação Climática deve exigir explicações ao seu congénere espanhol, visto que esta situação, que ocorre ano após ano, constitui um agravamento adicional do estado ecológico das massas de água do Rio Tejo em Portugal em incumprimento da Convenção de Albufeira quanto à obrigatoriedade de garantir o bom estado ecológico das massas fronteiriças e transfronteiriças e em incumprimento da Diretiva Quadro da Água, que impõe o objetivo de alcançar um bom estado ecológico das massas de água”.
Continua que “além disso, tal como a proTEJO , consideramos que há fundamento para apresentar uma queixa à Comissão Europeia contra os governos de Portugal e Espanha. Dado que a gestão das barragens para a produção hidroelétrica com critérios meramente economicistas, de maximização do lucro, sem atender nem minimizar os efeitos de poluição do Rio, viola a Diretiva-Quadro da Água”.
A Quercus realça que “relembramos que Rio Tejo não é propriedade da Iberdrola, nem de nenhuma outra empresa que opera ao longo do Rio, é Natureza e pertence a todos os seres do Planeta, humanos e não humanos: é um bem comum que tem de ser preservado e respeitado”.

13/09/2023
 

Outros Artigos

Em Agenda

 
01/05 a 31/10
50 anos de abril: em cada rosto igualdadeMuseu Municipal de Penamacor
03/05 a 16/06
EscapeGaleria Castra Leuca Arte Contemporânea, Castelo Branco
12/04 a 30/06
Memória de abril - 50 Anos DepoisCasa de Artes e Cultura do Tejo, Vila Velha de Ródão
15/05 a 23/06
Percursos, Retrospetiva de António CarmoCentro Cultural Raiano, Idanha-a-Nova
15/06
ClepsydraLivraria Livros Tintos, Fundão
tituloNoticia
16/06
Feira Mensal de ColecionismoAvenida Nuno Álvares, Castelo Branco
12/06 a 31/10
Uma Poética ResistenteMuseu Francisco Tavares Proença Júnior, Castelo Branco

Gala Troféu Gazeta Atletismo 2022

Castelo Branco nos Açores

Video